- Publicidade T1 -

Segundo o Jornal ‘O Globo’ entre 2001 e 2015 houve mais de 786.870 homicídios

O Brasil vive um cenário de guerra, mas está camuflado por diversas atrações que mantém o brasileiro distraído para não perceber. É uma triste realidade, mas é a que vivemos e precisamos nos atentar, porque estamos inseridos nesse cenário.
Hoje em dia, a violência e o crime não possuem mais padrão físico, pode ser qualquer um e acontecer em qualquer lugar, e só quem já foi vítima sabe exatamente do que estou falando. Ser surpreendido como vítima de violência doméstica por uma pessoa amada, ou enquanto coloca o filho na “cadeirinha” do carro por um criminoso tornou-se matéria diária dos grandes jornais de SP. Esse ano eu ministrei diversas palestras e workshops sobre o tema “Segurança Pessoal e Blindagem de Rotina ” e foi inacreditável ver que as pessoas estão totalmente sem saber como se proteger da violência. Tive a oportunidade de ensinar diversas técnicas que aumentam a segurança diária aos que participaram das palestras, desde pessoas que moram em bairros simples como também moradores de condomínios altamente seguros e protegidos por profissionais.
Por que as pessoas deveriam se preocupar com a sua própria segurança? Essa é uma pergunta que sempre estou fazendo nas palestras e já vou te responder, enquanto isso imagine a seguinte situação… Imagine a sua família sendo vítima de um assalto no trânsito, tendo seus pertences levados e tornando-se vítimas de homicídio. Talvez você sinta medo de que a pessoa com quem você se preocupa seja sequestrada. Pode até se preocupar com alguém da sua família sendo agredido na rua, porque sai muito cedo de casa e chega muito tarde, passando a maior parte do dia na rua, desprotegido. Já imaginou anos de luta e suor para conquistar um patrimônio confortável para você e sua família sendo subtraído por pessoas oportunistas?
Enquanto eu escrevo e enquanto você lê esse artigo, pessoas estão sendo vítimas de todas essas situações e muitas outras. Devemos nos preocupar com a nossa segurança pelo seguinte motivo: “quando negligenciamos a nossa segurança e deixamos totalmente por conta do Estado e da Segurança Pública, estamos negligenciando também a segurança das pessoas que amamos e juramos proteger”. Vivemos um momento delicado da segurança em nosso País, queremos e batalhamos por qualidade de vida, mas como ter essa qualidade se na maior parte do tempo estamos preocupados com a nossa segurança? Como ter paz sabendo que um filho ou filha pode não voltar pra casa? Como manter o equilíbrio após ser vítima de um assalto ou sequestro e não sofrer nenhum dano psicológico?
Por que viver a cultura do remédio quando podemos viver a cultura da prevenção?

- Publicidade T3 -
COMPARTILHAR
Artigo anteriorA Segurança Privada como um complemento a Segurança Pública.
Próximo artigoEla Pode pretende capacitar mulheres gratuitamente
Lucas Munhoz
Lucas Munhoz - Especialista em Segurança, Militar da reserva das Forças Armadas, atuou como integrante da ONU em Missão de Paz no Haiti e realizou diversos cursos e vivências operacionais. Após oito anos de serviços prestados ao País, decidiu atender uma grande necessidade das pessoas, tornar suas vidas mais seguras física e psicologicamente, através de Consultoria, Workshop e Treinamentos. O seu trabalho consiste em ensinar às pessoas técnicas e estratégias de segurança pessoal como: conduta no trânsito, estratégias de segurança, mapeamento tático da área onde você se encontra e outras habilidades e competências que vão deixar você e a sua família mais segura no dia-a-dia através da prevenção de ações criminosas simples como um assalto ou mais complexas como um sequestro. Baixe meu e-book gratuito: CLIQUE AQUI

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

não sou robo *